Museu de Santa Maria

Outubro 2019

DOMSEGTERQUAQUISEXSÁB
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Exposição “Território de Transformação: José Nuno da Câmara Pereira (1937-2018)”

O Museu de Santa Maria, através da Direção Regional da Cultura, inaugura esta terça-feira, 30 de abril, a exposição temporária “Território de Transformação: José Nuno da Câmara Pereira (1937-2018)”.

Esta exposição reúne um conjunto de 28 obras, em homenagem ao artista mariense, um ano depois da sua morte.  

Estará patente ao público até ao dia 8 de setembro de 2019.

“Um homem inquieto, com uma nova visão da Arte, talvez sejam algumas das expressões para nos referirmos a José Nuno da Câmara Pereira.

Um ser imperfeito como todo o ser humano, de visão acutilante, um homem que encarava a vida com inquietude, um homem que se dava de corpo e alma à vida, expressando-a de forma inteligível através das suas obras.

Gostava de experimentar novos materiais, em todos via uma forma, um destino e uma obra final. Aqueles que acompanharam o seu riquíssimo percurso certamente descortinaram nas suas obras a sua condição arquipelágica, o Mar, a Terra e o Fogo, elementos primordiais e que sempre estiveram presentes, no seu legado artístico.

José Nuno nunca renegou ser ilhéu, para ele era um sentimento puro, que acabava num movimento perpétuo, de pesquisa, de procura incessante da explicação destas nove ilhas de bruma, perdidas no meio do Oceano Atlântico, ponto de cruzamento de influencias entre as Américas e a Europa.

A obra de arte fluía no seu espirito, procurava o choque, porque a Arte tem esse condão, saber fazer chocar para tornar inteligível, maravilhosa, por vezes complexa. Mas, acima de tudo, a sua é uma Arte universal, que pauta o nosso imaginário e vai mais além disso, toca-nos a alma e a condição de sermos ilhéus. A obra de arte em José Nuno pautava-se por essas características. Quando completa, deixava de lhe pertencer, para passar a ser de todos. Esse é o momento em que o artista se realiza, onde o sonho se concretiza e pelo qual é reconhecido.

A pintura e a escultura ficariam certamente muito mais pobres se José Nuno não se aventurasse, qual físico ou matemático, a esquadrinhar o espaço e o tempo necessários para a realização de uma ideia, de um sonho ou de um manifesto, porque a Arte é também ela uma forma de protesto, de crítica, de subjetividade.

Para o artista o impossível não existe, é uma consequência da sua liberdade, do seu Eu criador, da diversidade de ideias que pauta a sua imaginação, na procura de ser o que sempre foi – Um Artista, um filósofo não da palavra, mas sim da cor e da matéria.

Esse é José Nuno da Câmara Pereira ou apenas José Nuno, como sempre gostou de ser conhecido.”

 

                                                                                              João Manuel dos Santos

                                                                                              Diretor do Museu de Santa Maria

Data Inicial
2019-09-08
Data Final
2019-09-08
Voltar atrás

Optimizado para as últimas versões dos browsers:
Microsoft Edge, Google Chrome, Safari, Opera e Firefox

Desenvolvido pela Salworks